Situação da Vida Real - Pressão alta e frequência cardíaca baixa

Situação da Vida Real - Pressão alta e frequência cardíaca baixa

“Doutor, estava lendo uma opinião sua na Internet, que um ritmo cardíaco baixo, pode não ser um problema desde que sua circulação seja atendida nesse ritmo.

O meu caso:  passei por angioplastia com 2 stents¹ e lá na UTI o meu ritmo estava em torno de 58/60 batimentos. Já em recuperação em casa, tenho medido minha

pressão todos os dias depois da alta do hospital, e o meu ritmo foi baixando 54 , 48, 52, e hoje 16/10 por 2 vezes apontou  44.

 

Estou tomando ainda muitos remédios:

renitec, propranolol, trezor, plavix, aspirina e pantoprazol.

Minha pressão está oscilando de 14,1x7,5 13,8x8,2,13,4x7,4,10,7x6,2 e 11,9 x 6,2; 11,9x6,2

Não estou querendo sua consulta pela Internet não, apenas UMA OPINIÃO

do meu quadro, pois volto no cardiologista semana próxima.

Tenho 70 Anos, 1,73 e 88 kg.

FUMEI ATÉ os 47 Anos”.

 

Vamos às respostas:

A sua colocação é muito rica em detalhes e merece que priorizemos uma resposta, que possa atender a sua maior demanda.

Pelo que posso sentir você está se preocupando com a pressão que prece estar muito baixa, mas também com a frequência que não é a habitual, especialmente em fumantes (que não é mais o seu caso, já que parou faz 23 anos).

Uma frequência cardíaca baixa, menor que 50 batimentos por minuto, pode demonstrar que o seu coração está conseguindo atender a uma demanda habitual apenas se relaxando convenientemente. Um coração ruim faz essa acomodação sempre com aumento da frequência, e isso não é bom. Dessa maneira não vejo motivos para preocupações.

É verdade que ritmos lentos podem acompanhar quadros de bloqueio cardíaco de graus maiores, mas se essas possibilidades forem afastadas não vejo motivo para receios.

A outra possibilidade que justificaria essa baixa frequência é que o seu médico lhe prescreveu um remédio chamado propranolol, que é um betabloqueador e deixa o coração batendo mais lento.

Fique atenta para o aparecimento de tonturas, e informe a seu médico se isso por acaso acontecer.

Cuide-se, porque está bem medicada, bem acompanhada e agora o seu coração recebeu o reforço de uma angioplastia.


 

Marco Mota   
(CRM 718 – AL) Médico Cardiologista e integrante do
corpo clínico do Hospital do Coração de Alagoas

¹ Stents- É um tubo (geralmente de metal, aço, ligas de cromo e cobalto) perfurado que é inserido como um "canal" do corpo para prevenir ou impedir a redução do fluxo no local causada por entupimento das artérias

Voltar à vista geral